5G vai ser igual a caneta azul, espalhado pela casa inteira

5G vai ser igual a caneta azul
Networking Social

Sim, o 5G vai chegar primeiro aos Smartphone e às casas

Tecnologia de quinta geração das redes móveis terá aplicações em cidades, indústrias e agronegócio, impulsionando a economia digital

Tecnologia irá mudar a economia do País
Previsto para desembarcar no Brasil em 2021, o 5G brasileiro deve estrear em aplicações menos críticas – em nossos smartphones e residências, a depender do que já vem sendo observado nas redes em funcionamento na Ásia, Europa e Estados Unidos. O diretor de soluções integradas da Huawei no Brasil, Carlos Roseiro, considera que o segmento de negócios será onde o 5G causará mais impactos. “É mais natural que o consumidor final seja impactado primeiro, mas o maior impacto será na indústria”.


Para a indústria, segundo Roseiro, é mais complexo, porque depende também das empresas que querem investir, dos desenvolvedores das aplicações (e equipamentos compatíveis) e de a operadora instalar uma rede específica. No modelo atual, em uma fábrica que trabalha com robôs que carregam cargas de um depósito até a linha de produção, por exemplo, já é possível automatizar essas operações. “Mas o 5G vai trazer a conectividade em tempo real. Poderemos colocar um chip no robô, fazendo com que o trajeto possa ser alterado, monitorado, mudado entre os dias, etc.”, explica. Isso vai trazer um enorme ganho de produtividade.

A chegada do 5G vai abrir oportunidades para tornar as cidades verdadeiramente inteligentes — e, a curto prazo, o uso de várias aplicações de internet das coisas vai melhorar a vida dos cidadãos, como câmeras de segurança de alta definição. “O 5G vai trazer mais velocidade na transmissão de dados”, afirma Roseiro. Conexão, por meio de sensores, de equipamentos como bueiros e lixeiras, gestão de lixo urbano e até mesmo elevadores — que vão “conversar” com os smartphones e “saber” em que andares as pessoas moram ou trabalham —, também serão viáveis. “E em longo prazo, vamos chegar ao momento dos carros conectados a uma nuvem, onde ficará concentrado o controle dos semáforos e dos outros veículos, se comunicando entre si”, diz o executivo, acrescentando que o ganho de eficiência na gestão de tráfego das cidades será “inimaginável”.

É a latência baixíssima do 5G que garantirá a segurança em tais cenários, não só no trânsito, onde tempos de mais de um segundo são altos e mais, em ambientes industriais e aplicações de medicina, é fundamental que ela seja próxima de zero para assegurar eficiência nas operações.

Um setor promissor para aplicações que rodam via 5G é o do agronegócio, onde “certamente os empresários vão pensar em como tirar maior partido da tecnologia”, afirma Roseiro. Isso se traduz em máquinas operando controladas a distância e drones monitorando colheitas, gerando dados para aumentar a eficiência dos negócios.
AGRICULTURA

Uma rede 5G suporta até 1 milhão de dispositivos conectados por km2
“Quando se fala do 5G no panorama B2B, estamos considerando muitos segmentos”, diz Roseiro. Segundo ele, alguns vão avançar mais rápido, outros mais devagar, mas cada um terá de pensar de que forma vai aproveitar melhor os benefícios da tecnologia. “O 5G é uma estrutura de competitividade. O Brasil não pode ficar para trás.”

As principais funcionalidades
Os especialistas dividem as possibilidades em três grandes grupos:

*eMBB – Banda larga móvel (muito superior à atual): possibilita, em smartphones, computadores, tablets e TVs, o acesso a streaming, games, consumo de conteúdo em geral, transmissões de TV com resolução 4K ou 8K, aplicativos de realidade virtual, etc.

*MIoT – Internet das coisas massiva: possibilita que dispositivos domésticos, máquinas industriais, veículos, equipamentos urbanos, agrícolas, etc. estejam totalmente conectados e, assim, seja possível criar redes de internet das coisas com dados circulando em alta velocidade, casas inteligentes, cidades inteligentes com aplicações em saúde, gerenciamento de crises urbanas, trânsito e circulação, segurança pública, etc. Na indústria, permitirá a conexão de máquinas em tempo real, para o acompanhamento de linhas de produção, cadeias de logística, operação remota, automação e robótica, etc.

*URLLC – Comunicação de baixa latência com confiabilidade total: torna possível aplicações com confiabilidade total de veículos autônomos, operação a distância com extrema precisão de máquinas agrícolas, equipamentos de mineração, etc., e também em serviços de saúde (como cirurgias remotas, consultas e exames médicos por meio de realidade virtual) e educacionais (aulas com conteúdo de realidade virtual, ambientes imersivos, etc.)

*Siglas em inglês

Na prática: se para determinada aplicação ou região a velocidade é mais importante do que a latência, a rede responderá para mantê-la estável. Em cidades onde a velocidade da rede é mais necessária em áreas industriais durante o dia e mais demandada em áreas residenciais durante a noite, a rede poderá ser adaptada.No campo, onde a latência é mais necessária do que a velocidade para a operação de uma máquina agrícola, a rede funcionará dessa forma.

As experiências do 5G pelo mundo
Em outros países, a utilização das primeiras redes 5G vem sendo marcada por diferentes cases e perfis de serviço

Na Coreia, nação mais adiantada na tecnologia, operadoras vêm investindo em aplicações de entretenimento relacionadas a vídeo, realidade virtual e realidade aumentada.
No Reino Unido, existem pacotes para smartphones com aplicativo de futebol exclusivo para os planos 5G, com resolução superior.
Na Itália, uma operadora lançou um aplicativo exclusivo de jogos em seu pacote 5G, com joystick especial que encaixa no telefone.
Nos Estados Unidos, na Suíça e na Finlândia, o 5G está focado no segmento de banda larga para internet residencial.
Em quais frequências funciona?

As redes de quinta geração utilizam, mais comumente, no início da operação, faixas com as chamadas ondas Mid-Band, de 3,5 gigahertz (GHz)

As faixas utilizadas variam de acordo com o continente e o país. Nem todos têm todas as frequências disponíveis para as redes 5G

A frequência mais utilizada mundialmente e que deve ser uma das primeiras a ser implementadas aqui no Brasil para serviços celulares é a de 3,5 GHz

No Brasil

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) estuda disponibilizar as seguintes frequências que serão disputadas em leilão:

2,3 GHz, com 100 MHz de capacidade

3,5 GHz, com 300 MHz de capacidade (pedaço com maior largura de banda a ser leiloado e que deve ser o mais disputado pelas operadoras)

Sobras da faixa de 700 MHz, com 20 MHz de capacidade .Também poderão ser leiloados pedaços de 6GHz

1 comentário em “5G vai ser igual a caneta azul, espalhado pela casa inteira”

  1. hey there and thank you for your information – I have certainly picked up something new from right here. I did however expertise several technical issues using this site, since I experienced to reload the website many times previous to I could get it to load properly. I had been wondering if your web hosting is OK? Not that I’m complaining, but sluggish loading instances times will sometimes affect your placement in google and could damage your high quality score if advertising and marketing with Adwords. Well I am adding this RSS to my e-mail and could look out for a lot more of your respective intriguing content. Ensure that you update this again very soon..

Deixe uma resposta