A internet que vai muito mais longe.

A internet que vai muito mais longe.
Networking Social

O Project Loon, é a internet que foi desenvolvida para atender lugares longínquos e isolados
Com a missão de conectar pessoas em todos os lugares, inventando e integrando tecnologias audaciosas. Ao alavancar essas tecnologias avançadas, Loon está possibilitando expandir o acesso à Internet a bilhões de pessoas que atualmente não possuem.

O Google lançou o projeto em 2013, mas pelo que se sabe ele já trabalhava com ele a dois anos, hoje está muito mais avançado, tanto com as novas tecnologias e o avanço natural das pesquisas, dentro da multiplicidade de questões envolvidas.

Foto do local do primeiro lançamento no Brasil, no Piauí

O projeto foi lançado no Brasil, em 28/05/2014, o Google foi convidado pelo ministro das comunicações Paulo Bernardo, e a Vivo foi a parceira do empreendimento, que aconteceu no Piauí, um desafio ao sistema, por ser próximo à linha do Equador, uma região quente, e também era a primeira vez que se usava o 4G.

O Project Loon trabalha com diversos parceiros para expandir e complementar as redes existentes e habilitar novas soluções que atendam às necessidades de conectividade do futuro. Até o momento, os balões estratosféricos de Loon percorreram mais de 40 milhões de quilômetros ao redor do mundo e conectaram centenas de milhares de pessoas

A forma que se conecta pela internet.
Como os balões de Loon são essencialmente torres de celular flutuantes, os usuários finais acessam a Internet da mesma maneira que se conectam à Internet móvel usando um Smartphone hoje.

Os clientes não saberão que estão conectados a um balão Loon

Os clientes não necessariamente saberão que estão conectados a um balão Loon, além do fato de que podem receber um sinal em um local onde anteriormente não existia.

Um cliente precisa ter um cartão SIM da operadora de rede móvel (tipo vivo, tim, claro, oi, ou algum provedor de internet do local, que tenha parceria parceria com Loon) e um smartphone habilitado para LTE. Nenhum equipamento especial adicional é necessário.

Loon não é um provedor de serviços de Internet que atende ao usuário final.

O Projeto Loon usa uma rede de balões movidos a energia solar que voam em grandes altitudes para transmitir banda larga para áreas que não têm acesso à Internet.

Os balões voam na estratosfera bem acima do tráfego aéreo comercial e dos eventos climáticos, em torno de 18 a 23 km ou 60.000 a 75.000 pés.

A parte cheia de gás do balão é feita de plástico e, quando inflada, tem cerca de 15 metros de circunferência.

Os balões Loon são movidos a energia solar e têm baterias recarregáveis ​​para que possam operar à noite. Eles também estão equipados com GPS e equipamentos de monitoramento climático.

Com um design e desenvolvimento arrojado o balão que pode durar com segurança centenas de dias na estratosfera. O registro atual da duração do vôo é 223 dias.

Situada à beira do espaço, entre 10 km e 60 km de altitude, a estratosfera apresenta uma série de desafios de engenharia exclusivos. No alto da estratosfera, a pressão do ar é de 1% do nível que está no chão.

Essa atmosfera fina oferece pouca proteção contra a radiação UV e variações dramáticas de temperatura, que podem atingir -90 graus Celsius.

Ao projetar cuidadosamente o envelope do balão para suportar essas condições, Loon é capaz de aproveitar os ventos constantes da estratosfera e permanecer bem acima dos eventos climáticos, da vida severa das grandes variações climáticas e dos aviões.

O posicionamento da frota de Loon é ajustado e controlado em tempo real a partir do Loon Mission Control, usando uma combinação de algoritmos de planejamento automático e supervisão humana, se aproveitando das variações de direções dos ventos, de acordo com as altitudes definidas.

O balão pode ir para um lado a uma determinada altitude, e para outro lado se descer e pegar um corrente de contrária, uma vez o sentido dos ventos variam de acordo com as altitudes. A questão maior, que estas correntes de ar são variáveis e conhecê-las e entender demanda estudo e tempo, pois há infinitas variações ao longo das estações durante o ano, e conhecê-las é complexo, uma vez que, conhecer o ciclo de variabilidade, é o mesmo que fazer previsão meteorológica.

No exemplo na maior altitude o vento está para a esquerda,
um pouco mais abaixo os ventos estão para esquerda.

Assim o posicionamento da frota de Loon é ajustado e controlado em tempo real a partir do Loon Mission Control, usando uma combinação de algoritmos de planejamento automático e supervisão humana dentro dos valores já conhecido, que são aprimorado a cada dia.

O Google diz que um balão pode cobrir uma área de aproximadamente 40 km de diâmetro no chão e que “centenas de pessoas podem se conectar a cada balão ao mesmo tempo”.

Quando o balão está pronto para ser retirado de serviço, o gás de elevação é liberado do balão e um paraquedas é acionado automaticamente. A equipe de Loon rastreia a localização do balão usando GPS e coordena diretamente com o controle de tráfego aéreo local para pousar com segurança em áreas pouco povoadas. Guiado ao pára-quedas, o balão pousa em segurança a uma velocidade lenta.

Os balões da Loon são pousados em áreas escassamente povoadas e acessíveis, onde os especialistas em recuperação podem recuperá-los.

Os balões são rastreados continuamente usando GPS e coordenamos descidas com controle de tráfego aéreo. Depois que uma aterrissagem é iniciada, uma equipe de recuperação é despachada para garantir que o equipamento possa ser reutilizado ou reciclado ou, em alguns casos, descartado com responsabilidade.

Os balões são monitorados da mesma forma que as aeronaves, nesta imagem do flightradar24 pode se observar três balões sobre o Brasil, um em SP, ES e litoral do Pr, e a esquerda no alto, no distrito de Andamarca no Peru.

Altitude flutuante de 18 a 23 km (60.000 a 75.000 pés), os balões Loon voam bem acima de aeronaves comerciais, portanto estão fora do caminho com segurança. Tanto no voo normal de operação, ou quando em fase recuperação, eles estão sempre no radar do projeto e dos controladores de vôos das aeronaves, através do transponder que os equipa, e transmite constantemente sua posição e altitude ao controle de tráfego aéreo e a qualquer outra aeronave nas proximidades.

E em certas condições climáticas, pode ser possível ver um balão Loon do chão como um pequeno ponto branco no céu. Na maioria das vezes eles serão muito difíceis de ver sem ampliação.

Todo este projeto trabalha em estreita colaboração com os governos locais e nacionais e, embora os regulamentos específicos sejam diferentes de país para país, as formas e os sistema são adequados de acordo com as leis locais e internacionais aplicáveis ​​conforme exigido nos locais em que se opera.

Além disso, Loon atende ou excede os padrões internacionais para balões livres não tripulados estabelecidos pela Organização de Aviação Civil Internacional das Nações Unidas (ICAO). Esses padrões formam a base para os regulamentos de muitos países em todo o mundo.

A segurança e a integridade dos dados transmitidos é preservada pela rede Loon, os dados são criptografados automaticamente durante o trânsito da rede de balões. O sinais são entregues às redes principais de nosso(s) parceiro(s) de operadora(s) de rede móvel, para que os dados transmitidos tenham os mesmos níveis de criptografia e autenticação que essas redes.

Os balões possuem os rádios especializados que fornecem serviço de internet para os usuários no solo, além dos instrumentos para monitorar as condições ambientais e do tempo, unidades GPS para acompanhar seus padrões de voo e um transponder de aviação para informar a posição dos balões aos controle de tráfego aéreo.

Painéis solares suficientes para armazenar energia para período noturno.

Estes aparelhos eletrônicos são alimentados por painéis solares, e o excesso de energia é armazenado em uma bateria recarregável para que as operações possam continuar durante a noite.

Para todos os voos de teste e produção fora dos EUA, nunca há câmeras a bordo. Em certos vôos de teste que operam apenas nos Estados Unidos, usamos câmeras voltadas para cima para observar como os vários componentes do balão estão funcionando em grandes altitudes.

Os operadores de rede móvel ou um governo interessado em saber como a Loon pode ajudá-lo a ampliar a conectividade, entre em contato aqui.

Deixe uma resposta