O Nióbio é nosso, e agora está à vista de todos.

O Nióbio é nosso

Presidente Jair Bolsonaro e ministro Marcos Pontes abrem 1ª Feira Nacional do Nióbio no CNPEM/MCTI em Campinas (SP)

O evento é o primeiro movimento nacional para apresentar ao cenário mundial as diversas aplicações do nióbio, mineral encontrado em abundância no Brasil

O presidente da República, Jair Bolsonaro, fez a abertura com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, da 1ª Feira Nacional do Nióbio, em Campinas (SP) nesta sexta-feira (08/10/2021).

A cerimônia foi no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização social vinculada ao MCTI. Uma comitiva de ministros de estado esteve no evento. Prestigiaram a abertura da feira os ministros da Defesa, Braga Neto e da Educação, Milton Ribeiro. O presidente Jair Bolsonaro, destacou a importância de se ter um ministro técnico à frente da pasta de ciência, tecnologia e inovações do país. “Por que estamos aqui? Por causa do Marcos Pontes. Se compararem o perfil dos meus ministros com os de presidentes e governo anteriores vão ver a brutal diferença. Os últimos ministros de ciência e tecnologia teriam condições de falar qualquer coisa dessa área aqui? A não ser que tivesse lendo”, lembrou o presidente. Durante visita aos estandes da Feira Nacional do Nióbio, Jair Bolsonaro falou da importância de investir no mineral. “Isso que o governo está investindo agora, o nióbio, é o futuro. O Brasil não pode mais ficar apenas sendo um país dependente de commodities”.

O ministro do MCTI, Marcos Pontes, reforçou a importância do investimento na ciência e tecnologia no país. “A ciência e tecnologia está no nosso dia e é bom lembrar que todos os países, sem nenhuma exceção, que hoje são desenvolvidos eles são desenvolvidos porque eles investem em ciência e tecnologia de forma estável há décadas”.

Para o diretor-geral do CNPEM/MCTI, Antônio José Roque da Silva, o investimento em ciência é primordial para a evolução do país. “Só através da ciência e da tecnologia e conectando esses aspectos com a inovação gerando riqueza para o país que nós vamos de fato criar um Brasil melhor”.

O nióbio é um mineral difícil de ser encontrado no mundo, mas abundante no Brasil que é responsável por 95% das reservas no planeta. O mineral é utilizado para a composição de ligas metálicas e permite um material mais maleável e resistente ao calor e ao desgaste além de ser um excelente condutor de energia. A Feira Nacional do Nióbio tem como objetivo apresentar para a comunidade internacional as diversas aplicações do mineral fomentando o uso do nióbio em diversos setores da indústria mundial.

Outras entregas

O CNPEM/MCTI em Campinas (SP) abriga o Sirius, o acelerador de partículas brasileiro. Durante a passagem do presidente Jair Bolsonaro foram inauguradas cinco novas linhas de luz síncrotron do Sirius. As novas linhas são: Carnaúba, focada na obtenção de imagens 2D e 3D de nanomateriais e investigações em ciências ambientais estrutura de solos, materiais biológicos; a Cateretê focada na investigação de dinâmica de fenômenos biológicos em diferentes escalas através da imagem 3D; a Ema que vai investigar de novas propriedades de materiais quando submetidos a condições extremas de temperatura, pressão e campo magnético; a Ipê vai estudar a distribuição e efeito dos elétrons em átomos e moléculas presentes em interfaces líquidas, sólidas e gasosas e a Imbuia que será focada na identificação de moléculas e análise da composição de praticamente qualquer material, com resolução nanométrica.

Sirius, o acelerador de partículas brasileiro

Ainda no CNPEM/MCTI, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, em conjunto com o presidente da República, Jair Bolsonaro, inauguraram novas instalações do Laboratório Nacional de Nanotecnologia. As novas alas serão dedicadas à nanofabricação de dispositivos e nanossistemas. As instalações vão permitir a execução da cadeia de processos para a fabricação de dispositivos e sistemas em escala reduzida que são utilizados em diversos componentes no dia a dia. Os laboratórios permitem a deposição e tratamento de resinas especiais; litografia por feixe de elétrons e por feixe de Íons e processos de deposição e corrosão de filmes finos.

Acordos de cooperação

Durante o evento foram assinados acordo de colaboração que vão permitir ao CNPEM/MCTI o desenvolvimento em áreas estratégicas para a pesquisa e para o Brasil. O primeiro acordo de colaboração técnica foi assinado com a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), que é líder mundial na produção e fornecimento de produtos do nióbio. O acordo vai permitir acelerar o desenvolvimento de tecnologias em supercondutividade. “Estamos muito motivados com esse trabalho conjunto que visa o fomento da pesquisa e do desenvolvimento de toda cadeia de produção para materiais supercondutores com a aplicação de nióbio, um mercado promissor não só para o Brasil, mas para todo o mundo”, falou o vice-presidente da CBMM, Ricardo Lima.

O segundo acordo celebrado no evento foi o de colaboração técnica para execução de projetos entre o CNPEM/MCTI e a Pi Tecnologia (Pitec), empresa especializada no desenvolvimento de sistemas de comunicação e de imagem com hardwares de última geração e já atua em parceria com a equipe no centro no desenvolvimento de componentes fundamentais para as linhas de luz síncrotron do Sirius.

Olimpíadas científicas

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro do MCTI Marcos Pontes entregaram medalhas para estudantes vencedores de olimpíadas do conhecimento de Campinas (SP). Os alunos foram ganhadores da Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA) e receberam um diploma e uma medalha pelo reconhecimento. O MCTI – Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações apoia 62 olimpíadas científicas no país. O objetivo é a promoção e o incentivo às carreiras da ciência e tecnologia dentro das escolas.

Compartilhe