Papa Francisco rejeita proposta para permitir a ordenação de homens casados

Papa Francisco rejeita proposta para permitir a ordenação de homens casados
Networking Social

O chefe da Igreja Católica recusou esta quarta-feira 12/02/2020 a ideia de abrir uma exceção para permitir a ordenação de homens casados como padres em áreas remotas.

O pedido endereçado ao Vaticano em outubro pelos bispos da Amazônia pretendia ver aprovada a proposta para fazer face à crescente escassez de sacerdotes.

A decisão poderia ter sido revolucionária e histórica para a Igreja Católica, mas Francisco acabou por não ceder. Numa mensagem dirigida à “querida Amazônia” e os povos indígenas, o papa Francisco não faz qualquer menção à proposta dos bispos daquela região que poria fim ao celibato. De fora fica também a possibilidade de tornar mulheres diáconos.

No documento, Francisco exorta os bispos, “especialmente os da América Latina”, a enviar mais missionários para que desenvolvam o seu trabalho na Amazónia, exigindo que os padres sejam treinados para o diálogo com aquela região e respetivas culturas.

O texto papal é também visto como uma reconciliação entre conservadores e progressistas, depois da polémica que envolveu a ideia de ordenar padres casados.

Em outubro, no Sínodo da Amazônia, uma assembleia de bispos dos vários países da região pediu a Francisco que considerasse abrir o sacerdócio a homens casados. Isto porque a Igreja Católica se depara, naquele território, com um problema crescente de falta de padres.

Na Amazónia, a escassez de sacerdotes leva a que os fiéis das comunidades mais remotas possam passar meses e até anos sem que possam participar em missas.

Cardeal Michael Czerny,

O cardeal Michael Czerny, porta-voz do Sínodo, disse esta quarta-feira que o documento assinado por Francisco é um documento de “reconciliação”.

“A reconciliação, a misericórdia e o diálogo, estão no seio deste papado e, inevitavelmente, são as verdadeiras soluções”, frisou.

O pontífice argentino de 83 anos não alterou a sua posição quanto a esta questão fraturante dentro da Igreja Católica, mas enfatizou o papel dos crentes, homens e mulheres, que possam prestar serviços “importantes” às comunidades.

Deixe uma resposta