Tudo o que você precisa saber sobre o coronavírus no Brasil

Tudo o que você precisa saber sobre o coronavírus no Brasil
Networking Social

Você sabe reconhecer o Coronavírus

Saiba como agir em relação a prevenção, transmissão e cura do novo coronavírus

Com o avanço do novo coronavírus, que começou a se espalhar em Wuhan, na China, e passou a ser transmitido em ritmo acelerado em outros países e continentes, o mundo está em estado de alerta – ainda mais após a declaração de situação de pandemia, decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

As roupas especiais aos funcionários que executam o serviço durante toda a jornada de trabalho de limpeza de ambientes com movimento intenso.

No Brasil (e na América Latina), o primeiro caso da doença foi registrado no dia 26 de fevereiro deste ano, em um paciente que veio da Itália para São Paulo. Desde então, as autoridades de saúde estão tomando providências e anunciando medidas para conter a contaminação da melhor maneira possível.

Hoje 20/03/20 já são 621 casos confirmados.

6 mortes

621 casos confirmados, eram 291 na terça-feira (17)

São Paulo segue como foco da disseminação do vírus, com 286 casos. Em seguida vêm Rio de Janeiro (65), Brasília (42), Bahia (30), Minas Gerais (29) e Rio Grande do Sul e Pernambuco (28). Além desses estados, foram registrados casos no Paraná (23), Santa Catarina e Ceará (20), Goiás (12), Espírito Santo (11), Mato Grosso do Sul (sete), Sergipe (seis), Alagoas (quatro), Acre e Amazonas (três) e Pará, Tocantins, Rio Grande do Norte e Paraíba (um).

O governo deixou de trabalhar com a situação de casos suspeitos

Importante:
A orientação do Ministério da Saúde é que as pessoas devem procurar os postos de saúde se manifestarem gripe ou sintomas, e não urgências ou hospitais. Um novo protocolo para os postos de saúde será divulgado.

Por ser uma doença nova, ainda há muitas dúvidas sobre a disseminação, sintomas, cuidados e cura da Covid-19. Abaixo seguem as respostas para as principais perguntas sobre o tema de acordo com os canais oficiais da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, do Ministério da Saúde e da OMS. Confira:

O que é coronavírus?

O coronavírus vem de uma família de vírus que provoca infecções respiratórias. No momento, o mundo passa por uma pandemia do novo coronavírus, que teve início em 31 de dezembro de 2019 na China e passou a ser transmitido pelo mundo todo. O coronavírus provoca a doença que leva o mesmo nome, ou Covid-19. 

Conhecidos desde meados de 1960, os coronavírus costumam causar doenças respiratórias leves a moderadas, semelhantes a um resfriado comum. Contudo, alguns podem causar doenças graves com impacto em termos de saúde pública, como o que está sendo transmitido agora.

Quais são os principais sintomas do coronavírus?

Os sinais e sintomas clínicos são principalmente respiratórios, semelhantes aos de um resfriado. Em alguns casos, podem também causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias.

Sintomas comuns: 

Coriza

Tosse

Cansaço

Dor de garganta

Sintomas graves:

Febre alta

Pneumonia

Insuficiência respiratória aguda

Os sintomas podem aparecer entre 1 e 12 dias após a exposição ao vírus.

O que é o “período de incubação”? Quanto tempo dura no caso do coronavírus?

Esse é o intervalo entre a data de contato com o vírus até o início dos sintomas. No caso do coronavírus, esse período pode durar de um dia até duas semanas.

Como acontece a transmissão? Aperto de mão, beijo e abraço podem passar o vírus?

O vírus causador da Covid-19 pode se propagar por meio de gotículas do nariz ou da boca via tosse ou espirro. Ainda há estudos que avaliam se a doença pode ou não ser transmitida pelo ar.

Por enquanto, o que se tem certeza é que a transmissão ocorre por contato com:

Gotículas de saliva;

Espirro;

Tosse;

Catarro;

Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão com pessoa infectada;

Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Dessa forma, aperto de mão, beijos e abraços, normalmente usados para cumprimetos, pelos brasileiros, devem ser evitados.

Existe vacina para prevenção ao coronavírus?

Até o momento, não. No entanto, há esforços de cientistas ao redor do mundo, incluindo no Brasil, que já iniciaram pesquisas para desenvolvimento de vacina. Ainda é precoce indicar se e quando ela estará disponível.

O coronavírus pode matar?

Em caso de complicações da infecção, como por exemplo, insuficiências respiratórias, o óbito pode ocorrer. No entanto, a maioria dos casos não leva à morte.

Como se prevenir? Como higienizar o corpo, objetos e ambientes?

Lavar bem as mãos com água e sabão é fundamental para evitar a transmissão do vírus

Lavar bem as mãos com água e sabão é fundamental para evitar a transmissão do vírus

Segundo o Ministério da Saúde, as orientações devem ser adaptadas pelos gestores estaduais e municipais, de acordo com a realidade local. “Não há uma regra única para todo o país. Cada região deve avaliar com as autoridades locais o que se deve fazer caso a caso. Neste momento, nós não temos o Brasil inteiro na mesma situação, por isso é importante analisar o cenário de casos e possíveis riscos”, destacou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira.

De maneira geral, as principais recomendações são:

Lave bem as mãos com água e sabão, incluindo dedos, unhas, punho, palma e dorso, por 20 segundos e seque, preferencialmente, com toalhas de papel descartáveis.

Lavar com sabão é fundamental para eliminar a gordura e o vírus.

Na falta de água e sabão, use álcool em gel para higienizar as mãos. O mesmo produto pode ser utilizado para limpar e objetos pessoais ou de uso coletivo, como celular, teclado, maçaneta, etc.

Ao espirrar ou tossir, cubra o nariz e boca com um lenço descartável ou com o antebraço.

Evite aglomerações, assim como deslocamentos e viagens, principalmente se estiver doente.
Mantenha os ambientes bem ventilados.

Evite tocar o rosto com as mãos sem lavá-las.

Para a limpeza doméstica, dê preferência para o uso da água sanitária (em uma solução de uma parte de água sanitária para 9 partes de água) para desinfetar superfícies.

Para a higienização das louças e roupas, recomenda-se a utilização de detergentes próprios para cada um dos casos. Destacando que é importante separar roupas e roupas de cama de pessoas infectadas para que seja feita a higienização à parte. Caso não haja a possibilidade de fazer a lavagem destas roupas imediatamente, a recomendação é que elas sejam armazenadas em sacos de lixo plástico até que seja possível lavar.

O que fazer em caso de sintomas? Devo ir ao hospital?

Em caso de suspeita de coronavírus, o Ministério da Saúde recomenda evitar ao máximo sair de casa. O paciente só deve procurar o serviço de saúde quando houver problemas mais sérios que necessitem de cuidados especiais, como dificuldade para respirar. 

Na maioria do caso, o recomendado é:

Repouso;

Evitar ao máximo sair de casa e ter contato com outras pessoas para não transmitir o vírus;

Hidratação (ingestão de bastante água e líquidos);

Uso de medicamentos para dor e febre (antitérmicos e analgésicos); uso de umidificador no quarto; tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garganta e tosse.

Como é feito o diagnóstico do COVID-19?

O diagnóstico é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou coleta de secreções da boca e nariz). O procedimento deve ser realizado em uma unidade de saúde.

As amostras são encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), definido pelo Ministério da Saúde para cada região.

Quais os cuidados em caso de isolamento domiciliar?

Nessa condição, quando há recomendação médica para isolamento domiciliar, o paciente deve ser mantido em casa, recebendo cuidados como hidratação e repouso. Os familiares devem tomar as precauções já indicadas, como evitar compartilhamento de objetos pessoais, contatos com secreção do paciente e higienização constante das mãos e do ambiente.

O que pessoas que tiveram contato com pacientes suspeitos devem fazer?

Valem as dicas básicas de cuidados de prevenção e prestar atenção em eventuais sinais ou sintomas.

É preciso usar máscaras?

Homem usando máscara cirúrgica na rua durante surto de COVID-19.

No momento, não há recomendação para uso de máscaras para a população em geral. Quem estiver saudável, não precisa se preocupar. 

Segundo o Ministério da Saúde, as máscaras faciais descartáveis devem ser utilizadas por profissionais da saúde, cuidadores de idosos, mães que estão amamentando e pessoas diagnosticadas com o coronavírus.

Que cuidados deve tomar quem usa transporte público, como ônibus, trens e metrô?

Não é necessário usar máscaras, no momento. As recomendações são para cada pessoa seguir e repassar a amigos e familiares as dicas de prevenção, sobretudo a higienização das mãos.

Há medida de restrição ou bloqueio a pessoas vindas de outros países?

Até o momento, o governo federal não definiu medidas nesse sentido. Qualquer decisão envolvendo fluxo internacional depende das autoridades federais. 

Também não há nenhuma medida de monitoramento de temperatura de pessoas vindas da China ou de outro país com registro de Covid-19, já que, segundo o Ministério da Saúde, não há impacto efetivo no procedimento, tendo em vista que as pessoas podem chegar ao Brasil sem sintomas.

Há restrições para comprar mercadorias vindas de países com casos confirmados da doença?

O vírus tem vida de 24 a 72  horas. Tudo que vem da China, por exemplo, demora mais que esse período para chegar ao Brasil. Por enquanto, não há indícios ou evidências de que seja necessária evitar a importação de produtos.

Qual é a orientação para quem tem viagens marcadas para China ou outros países com registro da doença?

O Ministério da Saúde orienta que essas viagens sejam realizadas apenas em casos de extrema necessidade. Essa recomendação vale até que o quadro todo esteja bem definido.

Como o cenário internacional do coronavírus é dinâmico, o Ministério está atualizando as áreas com transmissão local de acordo com as informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Antes de viajar, vale ficar atento nas fronteiras de cada país. Até o momento, mais de 40 nações decidiram fechar as fronteiras – inclusive o Brasil -,muitos dos quais impedindo turistas de voltarem para casa.

É o momento de estocar alimentos?

Até o momento, não há nenhuma recomendação das autoridades de saúde sobre estocagem de alimentos. O Ministério da Saúde, no entanto, afirma que é possível que famílias armazenem produtos de higiene como uma medida de prevenção. No caso das crianças, recomenda-se que os pais ou responsáveis adquiram fraldas e outro produtos em uma maior quantidade para que se evite aglomerações em supermercados e farmácias. 

Quais remédios devo usar tratar os sintomas?

O governo pede que as pessoas comprem antecipadamente e tenham em suas residências medicamentos para a redução da febre, controle da tosse, como xaropes e pastilhas, além de medicamentos de uso contínuo.

A OMS, contudo, orienta que – em casos em que o uso dos medicamentos seja feita sem orientação médica – não se deve optar por ibuprofeno para tratar possíveis sintomas de Covid-19. “Em casos suspeitos, recomendamos paracetamol, e não ibuprofeno”, afirmou um dos porta-vozes da organização, Christian Lindmeier.

Qual a taxa de letalidade da doença?

Apesar de não haver um dado oficial, informações mais recentes da OMS mostram que, na China, a taxa era de 3,5%, enquanto em outros países o percentual registrado foi de 1,5%.

Animais podem contrair ou passar a doença?

Não há, até o momento, nenhuma evidência de que a transmissão do novo coronavírus aconteça por meio de animais de estimação domésticos. Também não há evidências de que cães e gatos podem contrair a covid-19. A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) informa que “a propagação atual do Covid-19 é o resultado exclusivo da transmissão entre seres humanos”. 

Existe cura para o coronavírus?

A OMS junto de outros órgãos de saúde ao redor do mundo somam mais de 30 mil casos de pacientes que já se recuperaram da doença, segundo um levantamento feito pela Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

Deixe uma resposta