Visita oficial Abu Dhabi Emirados Árabes Unidos

Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante chegada à cidade de Abu Dhabi, para visita oficial aos Emirados Árabes Unidos.
Networking Social

Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante chegada à cidade de Abu Dhabi, para visita oficial aos Emirados Árabes Unidos.

(Abu Dhabi – EAU, 26/10/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, recebe os cumprimentos do Xeque Suhail Al Mazrouei, Ministro de Energia e Indústria dos EAU.\nFoto: Clauber Cleber Caetano/PR

Na chegada a Abu Dhabi, neste sábado (26/10/19), o presidente Jair Bolsonaro participou de uma cerimônia militar de homenagem aos mártires dos Emirados Árabes e de uma cerimônia de oferenda floral. Ele defendeu que o Brasil precisa se rearmar para ter capacidade de defesa: “Ninguém quer um Brasil extremamente belicoso, mas devemos ter o mínimo de dissuasão”.

O chefe do Executivo ressaltou que “todos os países buscam negociação nesse sentido (Defesa)” com o Brasil. “Todos, sem exceção, onde quer que eu vá, essa questão sobre defesa é colocada na mesa”, disse complementando que o país brasileiro deixou de ser armar por ideologia e  que colocou de lado a área desde o governo de Fernando Henrique Cardoso.

O presidente brasileiro declarou ainda preocupação com a situação na América Latina. “A América Latina tem que estar estável. Nós nos preocupamos. Espero que o futuro presidente da Argentina esteja alinhado com os rumos do Mercosul, a abertura do mercado. Com as cláusulas democráticas do Mercosul, coisa que a Venezuela não vinha fazendo. Nem era para ter entrado no Mercosul”, ressaltou.

Sobre as manifestações no Chile, ele reafirmou que ‘a preocupação existe e que o Brasil ‘colabora, na medida do possível, com a estabilidade democrática’. 

Bolsonaro, no entanto, não quis comentar a respeito do não reconhecimento no “momento” do Itamaraty sobre o resultado das eleições bolivianas, favoráveis a Evo Morales. A contagem de votos do pleito presidencial boliviano foi questionada pela Organização de Estados Americanos (OEA), União Europeia, Brasil, Estados Unidos, Colômbia e Argentina.

Questionado, o presidente da República afirmou também que o Brasil começou a reverter a corrupção. “A corrupção falava muito alto e afastou investimentos estrangeiros. Nós começamos a reverter tudo isso aí. A mostrar que dá para fazer uma política de maneira diferente da que se fazia há pouco tempo”, declarou.

Bolsonaro participa da sessão de abertura do seminário empresarial Brasil-Emirados Árabes Unidos e da cerimônia de troca de Atos Internacionais. Em seguida, almoça com o Xeque Mohamed bin Zayed Al Nahyan, Príncipe Herdeiro de Abu Dhabi. Bolsonaro também se encontrará com atletas brasileiros e emiradense de jiu-jitsu. Em seguida, participa de uma reunião com o Xeque Mohamed bin Rashed Al Maktoum, vice-presidente, primeiro-ministro dos EAU e governante de Dubai. Está prevista ainda uma visita à Grande Mesquita Xeque Zayed e à noite, Bolsonaro se reúne com o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e empresários brasileiros e emiradense.

Depois de passar pelo Japão e pela China, Bolsonaro cumpre agenda internacional de viagens em Abu Dhabi. Ele deverá passar ainda pelo Catar e Arábia Saudita.

Deixe uma resposta